LESÃO DO MENISCO

Meniscos

Os meniscos são duas estruturas fibrocartilaginosas em forma de “C” ou meia-lua que desempenham importante função de apoio dos côndilos femorais na tíbia. Dentre as principais funções desempenhadas pelos meniscos podemos citar: transmissão de carga, estabilidade articular, propriocepção, lubrificação articular e distribuição de nutrientes.

Função Meniscal na Transmissão de Carga

Os meniscos apresentam função crítica na transmissão de cargas no joelho. Durante a aplicação de carga à articulação (ao pisar), os côndilos tibiais e femorais aproximam-se e comprimem os meniscos. Os meniscos, que se encontam ligados à tíbia, criam uma conformação que aumenta a superfície de apoio entre o fêmur e a tíbia, dividindo a carga aplicada na superfície.

Percebemos a importância dessa função de forma mais prática quando acompanhamos a evolução de um paciente que teve seu menisco retirado devido a lesão. Com a perda de conformidade entre a tíbia e o fêmur verifica-se o aumento da pressão tíbio-femoral e o consequente desgaste da articulação antes do que se esperava.

História e Quadro Clínico

A entrevista detalhada durante a consulta e um exame físico específico auxiliam no diagnóstico clínico das lesões meniscais. O paciente apresenta geralmente história de traumatismo torsional do joelho ou dor súbita após agachamento súbito, ou mesmo com caráter insidioso, sem que um traumatismo específico tenha ocorrido. Outros casos mais graves apresentam queixas de dor intensa de início súbito, acompanhadas de bloqueio de movimentos da articulação, impedindo o paciente de estender o joelho ou mesmo deambular.

Diagnóstico por Imagem

No auxílio ao diagnóstico, quando se suspeita clinicamente de lesão meniscal, o exame de imagem padrão-ouro a ser solicitado é a ressonância nuclear magnética do joelho acometido. A ArtroTC (Tomografia Computadorizada com contraste intra-articular) também pode ser solicitada para auxílio diagnóstico e elucidação de lesões específicas.

Vascularização Meniscal

O tratamento da patologia meniscal depende do entendimento da ciência básica do menisco. Isto inclui a familiarização com a anatomia e a vascularização, quando determinantes na escolha entre a ressecção e o reparo meniscal.
A localização e o padrão da lesão possuem valor importante na decisão de retirar parte do menisco ou suturar. Por convenção, a lesão é descrita baseada na presença (vermelha) ou ausência (branca) de suprimento sanguíneo. As lesões são então descritas baseadas nas zonas: vermelha/vermelha (muita vascularização e grande potencial de cicatrização), vermelha/branca (próxima da margem, com suprimento vascular não ideal no centro da lesão) e branca/branca (ausência de vascularização).

Classificação

Podemos classificar as lesões meniscais pelo padrão e pela localização. Observam-se diversos padrões de lesão incluindo alguns mostrados na imagem:

Tratamento das Lesões Meniscais

As opções de tratamento das lesões meniscais incluem: tratamento não-operatório, retirada parcial e sutura do menisco. Mais recentemente o transplante meniscal passou a ser uma opção de tratamento em alguns centros no mundo, porém apresenta indicações bastante restritas e nao se encontra disponivel no nosso país.
A importância dos meniscos para a função normal do joelho é reconhecida de longa data e nas últimas duas décadas tem-se enfatizado a preservação meniscal através da limitação do montante a ser ressecado e otimização das técnicas de reparo meniscal (Sutura).

Lesões longitudinais localizadas na zona vermelha-vermelha geralmente apresentam o melhor índice de sucesso quando reparadas.
Na determinação das diferenças entre a sutura meniscal e a ressecção, há muitas variáveis a se considerar. A ressecção meniscal somente torna-se a opção quando o reparo não for possível de ser realizado. Uma parcela significante das lesões meniscais não é reparável e o tratamento satisfatório passa a ser a ressecção ( quando necessária faz se o minimo de ressecção possivel).
Fatores como idade do paciente, localização da lesão, estabilidade do joelho, qualidade da sutura e cooperação por parte do paciente na reabilitação (importantíssimo) possuem influência fundamental no sucesso do tratamento.