O joelho é uma articulação do tipo gínglimo, na qual se articulam de forma incongruente os côndilos fêmorais, côndilos tibiais e facetas articulares da patela. Essa arquitetura óssea, em conjunto com os ligamentos, os meniscos e a cápsula, é responsável pela estabilidade estática do joelho. Já a estabilidade dinâmica é função da musculatura que envolve a articulação. Todos esses ossos são revestidos com cartilagem articular (superficial). Esta cartilagem articular atua como um amortecedor e permite uma superfície suave de baixo atrito para a movimentação do joelho.

O joelho é a maior articulação do corpo. A articulação do joelho é composta pelo fêmur, tíbia e patela (rótula). Todos esses ossos são revestidos com cartilagem articular (superficial). Esta cartilagem articular atua como um amortecedor e permite uma superfície suave de baixo atrito para a movimentação do joelho.

Entre a tíbia e o fêmur estão duas estruturas fibrocartilaginosas chamadas de meniscos. O menisco medial (interno) e o menisco lateral (externo) repousam sobre a cartilagem da superfície tibial e são móveis. Os meniscos também atuam como amortecedores e estabilizadores.

O joelho é estabilizado por ligamentos que estão dentro e fora da articulação. Os ligamentos colaterais (medial e lateral) suportam o joelho do movimento excessivo de um lado para o outro. Os ligamentos cruzados anterior e posterior (intraarticulares) suportam o joelho nos movimentos para frente e para trás, de maneira simplificada.

A articulação do joelho é circundada por uma cápsula (envelope) que produz uma pequena quantidade de fluido sinovial (lubrificante) para ajudar no movimento suave. Os músculos da coxa são importantes estabilizadores secundários do joelho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *